Raio-X F1: as possibilidades de estratégia para o GP de Portugal


No Autódromo Internacional do Algarve, equipes têm poucos dados para as 66 voltas da corrida A montanha-russa portuguesa. O Autódromo Internacional do Algarve deixou todos os fãs da Fórmula 1 empolgados desde os treinos livres de sexta-feira. Subidas, descidas, curvas cegas, uma reta de quase um quilômetro… Um circuito muito técnico, que proporcionou um bom espetáculo até agora. O que não mudou no GP de Portugal foi o enredo de sábado na temporada 2020: domínio da Mercedes, com Lewis Hamilton fazendo mágica no Q3 e conseguindo a nona pole do no ano, a 97ª da carreira, com 102 milésimos de vantagem sobre Valtteri Bottas, seu companheiro de equipe. Max Verstappen, da RBR, ficou em terceiro, a 0s252. E o trecho em descida entre a pole e a curva 1, com um asfalto com pouca aderência, promete aprontar surpresas.
O grid de largada para o GP de Portugal
FOM
Quer saber o que pode ocorrer em termos de estratégia no GP? O Voando Baixo vai te ajudar a entender as possíveis táticas para a prova, que terá largada às 10h10 (de Brasília) com transmissão da TV Globo e do GE. A narração será de Cleber Machado, com comentários de Luciano Burti e Felipe Giaffone e reportagens de Marcelo Courrege.
VOANDO BAIXO: Rafael Lopes comenta o resultado da classificação em Portimão
Janelas previstas de pit stops para a corrida deste domingo, o GP de Portugal
FOM
No gráfico acima, vemos as possíveis janelas de pit stops. Entre os dez primeiros, apenas Lewis Hamilton, Valtteri Bottas e Charles Leclerc largam com os médios. De acordo com a FOM, para quem fizer essa estratégia, a janela para a parada começará na volta 25 e durará até a 35, mais ou menos na metade da corrida. Neste caso, o ideal seria colocar os duros para encerrar a prova com tranquilidade. Já para quem começar de macios, a troca deverá ser feita entre a 20 e a 30. O grande problema dos macios nesta estratégia é a baixa temperatura, que pode provocar o chamado graining nos pneus dianteiros. E isso pode ser o fator decisivo para uma mudança de estratégia e até mesmo duas paradas.
Informações sobre o Autódromo Internacional do Algarve, sede do GP de Portugal
Janelas previstas de pit stops pela Pirelli para a corrida deste domingo, o GP de Portugal
Pirelli
Já de acordo com a Pirelli, a estratégia mais rápida para a corrida de 53 voltas é de uma parada, mas a previsão do tempo pode ser um fator interessante em Portimão. São previstas temperaturas mais amenas para o domingo, além, é claro, de 40% de risco de chuva para o horário da largada. A melhor estratégia, segundo a fabricante oficial da Fórmula 1, é largar com os médios (Hamilton, Bottas e Leclerc no Top 10) e trocar pelos duros após 32 voltas. Outra tática possível é sair com os macios e trocar para os duros com 18 voltas. Quem optar por duas paradas, tem de fazer um trecho de 14 com os macios e dois de 26 com os médios.
Previsão de queda de desempenho dos compostos de pneus na corrida deste domingo
FOM
A corrida deste domingo pode ser afetada pela chuva em Portimão, mas são esperadas temperaturas mais baixas mesmo em caso de pista seca. Em termos de desempenho, na imagem acima vemos que o pneu macio perde rendimento mais acentuadamente com 25 voltas, em uma curva abrupta. O médio tem um comportamento parecido, mas dura um pouco mais, por volta de 30; e o duro tem uma curva mais uniforme de perda, rendendo bem até 35 voltas de uso.
Estimativa de desgaste e desempenho dos pneus no GP de Portugal
No gráfico abaixo, temos os pneus disponíveis para cada carro na corrida, sempre em caso de pista seca. Hamilton e Bottas estão em igualdade de condições para a corrida, com um jogo de macios novos e dois usados; dois usados de médios e um de duros novos. Já Max Verstappen conta com quatro jogos de macios usados, um de médios novos e um de duros novos. A estratégia diferente da RBR é a grande esperança para o holandês ameaçar a Mercedes em Portugal.
Pneus disponíveis para cada carro no GP de Portugal, estimativas de tempo perdido no pit lane e previsão do tempo
FOM
Outro detalhe: o Autódromo Internacional do Algarve é uma pista com boas áreas de escape, mas em algumas delas com caixas de brita. Ou seja, assim como em Mugello, ainda que com um pouco menos de intensidade, temos o risco de se ter a corrida neutralizada com o carro de segurança. É ficar de olho, porque o tempo perdido no pit lane em bandeira verde e com o safety car na pista é bem diferente – são 10 segundos a menos. A perda, nos dois casos, não é tão grande, entre 15 e 25 segundos. Elementos para uma grande corrida em Portimão.
Pneus disponíveis para cada piloto no GP de Portugal de Fórmula 1
Pirelli
Perfil Rafael Lopes
Editoria de Arte/GloboEsporte.com

Comentários

Compartilhe

Ultimas notícias